O mercado mundial de serviços de streaming de música foi alvo de especulações promissoras nesta segunda-feira, dia 15.

Isso porque a Billboard revelou planos que indicam que a gigante do varejo online Amazon pode liberar, quem sabe até na próxima semana, uma plataforma gratuita de música.

Entre as gigantes do segmento, apenas o Spotify conta com um plano 100% free. Nessa modalidade, no entanto, o usuário encontra restrições na usabilidade, como a impossibilidade de controlar a ordem das músicas tocadas.

De acordo com a publicação americana, a Amazon contaria com um modelo de negócios baseado em anúncios, tendo como braço direito a veiculação desses anúncios nos gadgets da linha Echo, que são ativados por voz e que fazem sucesso nos lares dos Estados Unidos.

Um modelo gratuito levanta inúmeras questões quanto a licenciamento, royalties e direitos autorais. Porém, as condições em que a negociação da Amazon com selos e gravadoras estão ocorrendo ainda não foram relavadas.

Atualmente, a empresa de Jeff Bezos oferece alguns serviços e assinaturas limitadas relacionadas à música, como o Prime Music, cujo foco na verdade é atrair assinantes para seus pacotes Prime, que custam mais de 100 dólares anuais e que dão direito a mordomias como frete gratuito nas compras na Amazon.

A notícia – que, até o momento, ainda não foi confirmada pela Amazon – fez com que as ações do Spotify caíssem 4%.

A briga promete, já que, além das duas já citadas, o ecossistema de streaming também conta com empresas como Deezer, Apple Music e Tidal – cada uma lutando pela preferência e pelos plays dos ouvintes.