A Apple confirmou em um release em seu site (24/09) que fechou a compra do Shazam, famoso app que há anos permite que a gente descubra qual é a música que está tocando naquela série, naquele filme ou naquele bar com os amigos. A boa notícia é que muito em breve o Shazam não terá mais anúncios e será gratuito para todos os usuários.

No release, o vice-presidente do Apple Music Oliver Schusser disse que “a Apple e o Shazam têm uma longa história juntos. O Shazam foi um dos primeiros apps disponíveis quando lançamos a App Store e que se tornou uma das favoritas dos fãs de música em todos os lugares. Com um amor compartilhado por música e inovação, estamos empolgados para unir nossas equipes para proporcionar aos usuários ainda mais maneiras de descobrir, experienciar e aproveitar músicas.”

A Apple vem tentando concluir esta transação faz tempo, mas o negócio nunca tinha sido definitivamente fechado. O problema é que como o Shazam é uma empresa britânica, acabou esbarrando em uma investigação antitruste da União Europeia, que depois de concluída, acabou decidindo que a aquisição do app pela gigante de Cupertino não iria afetar a competição no mercado europeu.

O valor da aquisição não é citado no release, mas segundo o Tech Crunch, foram US$ 400 milhões, o que eu acredito que tenha sido até barato para um app que já foi baixado mais de um bilhão de vezes, ainda mais em se tratando de uma empresa que tem tanto capital em caixa como a Apple, mas garanto que não tem ninguém triste lá nos escritórios da Shazam, muito pelo contrário.

Eu certamente estou entre os primeiros usuários do Shazam, e por conta de sua utilidade diária na minha vida, nunca mais abandonei o programa, ao contrário de muitos outros apps que nem lembro que existem. Tudo bem, a Siri, o Google Assistant e até o Facebook também podem identificar a música que o usuário está ouvindo, mas nenhum deles com o mesmo estilo, isso pra não falar no pioneirismo do Shazam.

Um dos motivos do sucesso é que o Shazam é um app nunca ficou parado em sua zona de conforto, e foi ganhando recursos ao longo do ano, alguns deles inclusive bastante úteis, como mostrar as letras em tempo real, algo que faz toda a diferença para os fãs de música.

O Shazam também tem o mérito de ter inspirado outros aplicativos, como este que identifica o canto de passarinhos, ou esse outro instalado em smartphones da Xiaomi para supostamente identificar músicas somente com os murmúrios dos usuários. Nem tudo são flores contudo, pois a tecnologia do Shazam foi licenciada para a empresa Alphonso e usada para reconhecer o que estava tocando no ambiente e usar os dados para vender anúncios aos usuários, nada tão incomum assim no mercado, infelizmente.

O meu único pedido para a Apple é que eles não mexam (muito) no app, que pra mim já é praticamente perfeito, a não ser é claro pela intenção já anunciada de retirar os anúncios, algo extremamente louvável, que é digno de muitos aplausos. Assim como eu, o Shazam tem muitos entusiastas que usam o app e acompanham sua trajetória desde o começo, e esperam que a Apple o mantenha como um app independente, ainda que com recursos integrados com a Siri e o Apple Music para melhorar a experiência dos usuários.