A primeira vez que Zedd fez uma turnê profissional como DJ, abrindo para Skrillex, sua produção consistia em pouco mais que um laptop e uma mesa dobrável. No intervalo entre o autor de “Where Are Ü Now” e o próximo DJ, ele simplesmente tocava uma música e saía do palco.

“Esse hoje não é mais o caso”, disse Zedd à FORBES, no ano passado. “Tudo é realmente profissional. Da música de mudança [que você ouve e vê, entre cada DJ] ao gasto total em um show… os valores subiram muito.”

Assim como os ganhos. Há cinco anos, Zedd faturava US$ 3,5 milhões anualmente; desde então, arrecadou mais de US$ 100 milhões, incluindo US$ 22 milhões somente no ano passado, e isso é bom o suficiente para o sexto lugar em nossa lista dos DJs mais bem pagos do mundo. O Top 15 ganhou US$ 10 milhões ou mais.

Calvin Harris está no topo da lista pelo sexto ano consecutivo, com ganhos de US$ 48 milhões, graças aos pagamentos ​​de seis dígitos para seus sets em Las Vegas e aos sete digitos para liderar as apresentações do Japão à Croácia. Os Chainsmokers estão bem atrás dele, com US$ 45,5 milhões. O duo por trás de “Closer” e “Something Just Like This” fez mais de 100 shows em nosso período de apuração.

Veja, na galeria de fotos a seguir, os 15 DJs mais bem pagos do mundo em 2018:

15. Afrojack – US$ 10 milhões

O DJ holandês continua a fazer uma boa quantidade de shows em todo o mundo, mas tem se concentrado em seu próximo passo no mundo dos negócios, ao associar-se à LDH Europe na busca pelo novo grande sucesso pop do mundo.

14. Dimitri Vegas & Like Mike – US$ 10,5 milhões

O duo europeu Dimitri Vegas e Mike faz a maior parte de seu dinheiro no exterior. A dupla ganha cachês de seis dígitos em festivais diversos que vão da Tomorrowland, na Bélgica, ao Electric Daisy Carnival, no Japão.

13. DJ Snake – US$ 11 milhões

O DJ francês do hit “Turn Down For What” é atualmente parte do coletivo Pardon My French DJ. Ele ganha muito dinheiro em uma infinidade de shows e com uma nova gravadora, a Premiere Classe Records. E investe ainda em participações de artistas populares como Cardi B.

12. Kygo – US$ 11,5 milhões

Quando olhamos para os ganhos de Kygo, vemos fogo. O DJ norueguês está em turnê promovendo seu segundo álbum de estúdio, “Kids In Love”. Mais da metade de seus ganhos vem da turnê, mas ele também fatura milhões com gravações.

11. Axwell Ingrosso – US$ 12 milhões

Desde o fim do grupo Swedish House Mafia, a dupla ganhou dinheiro. Axwell Ingrosso lançou seu primeiro álbum de estúdio em dezembro de 2017 e, desde então, já tocou em muitos dos maiores eventos norte-americanos e europeus, do Ultra à Tomorrowland.

10. Martin Garrix – US$ 13 milhões

Com apenas 22 anos, o DJ holandês é um dos mais jovens na indústria. No ano passado, tornou-se um rosto da Armani Exchange. Dos seus mais de 90 shows durante o nosso período de apuração, o maior deles foi a principal atração da cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno, na Coreia do Sul.

9. Kaskade – US$ 13,5 milhões

Um dos veteranos mais conhecidos do EDM, Kaskade ganha uma fortuna com uma turnê constante, incluindo alguns nos quais promove variações. Kaskade começou a fazer suas festas na praia, como no festival Soaked, em 2017, quando atraiu 30 mil pessoas.

8. David Guetta – US$ 15 milhões

O DJ veterano continua a atrair multidões, e muito dinheiro, com seus sets em locações do Encore Beach Club, em Las Vegas, e para a Pacha, em Ibiza, na sua terra natal, a Europa. O single “Dirty Sexy Money”, do ano passado, com Afrojack e Charli XCX, ficou em primeiro lugar em mais de uma dúzia de países.

7. Diplo – US$ 20 milhões

Além da música, Diplo é um investidor na empresa de energético MatchaBar e é dono da Bacardi, por meio de sua parceria criativa, Sound of Rum. O império variado do DJ chegou até a TV: ele é produtor na irônica série da Viceland “What Would Diplo Do?”

6. Zedd – US$ 22 milhões

O músico nascido na Rússia e criado na Alemanha nem sequer se considera um DJ: “Eu me vejo como um artista que apresenta um show”, disse ele à FORBES, no ano passado. Isso tem sido bastante lucrativo, considerando que ele recebe honorários de seis dígitos por esses shows, e faz mais de 100 deles por ano.

5. Marshmello – US$ 23 milhões

Ele pode não ser o DJ mais bem pago, mas é certamente o mais lucrativo de nossa lista. Além de seus cachês noturnos, ele aumentou sua presença com a série “Cozinhando com Marshmello”, no YouTube, e colaborou em novas músicas, com participações em trabalhos de artistas que vão de Selena Gomez a Logic.

4. Steve Aoki – US$ 28 milhões

Ninguém da indústria de música eletrônica trabalha mais do que Aoki, que fez 200 shows em nosso período de apuração, às vezes, dois em um único dia. Ele cuida de seus cofres de acordo com os gostos do Dropbox, da Zumba e da companhia aérea ANA. Aoki também assinou com oa relógios Diesel em maio.

3. Tiësto – US$ 33 milhões

O DJ holandês de 49 anos continua a trabalhar mais do que profissionais com metade da sua idade, realizando cerca de 150 shows durante o período de apuração. Ele continua relevante, com colaborações como “Jackie Chan”, seu novo single com Post Malone, e recentemente estendeu sua residência com Hakkasan até 2020.

2. The Chainsmokers – US$ 45,5 milhões

Os DJs por trás dos hits “Closer” e “Something Just Like This” estão no trecho final de um contrato exclusivo de residência com o Wynn Nightlife e ganham salários de seis dígitos por seus sets, mais de 100 durante o nosso período de apuração. O cofundador da dupla, Alex Pall, diz: “Estou curioso para ver o que acontecerá a seguir”.

1. Calvin Harris – US$ 48 milhões

O rei da música eletrônica continua embolsando fortunas de seis dígitos por seus sets em Las Vegas e de sete digitos para encabeçar performances em festivais do Japão à Croácia. O novo single, “One Kiss”, chegou ao topo das paradas em seu país natal, o Reino Unido, e no resto da Europa.