O mundo é das playlists!

Se você acessa plataformas de streaming, já deve ter trombado com inúmeras playlists especializadas em estilos musicais, momentos do dia, atividades físicas, estados de humor e por aí vai.

Essas listas de faixas presentes no Spotify e YouTube, por exemplo, despertam interesse pela facilidade com que alguém, com um simples toque na tela, consegue uma trilha adequada para sua corrida no parque ou para ter 1 hora de trabalho focado sem distrações.

Ainda por cima, com a evolução dos algoritmos, você descobre bandas, singles e álbuns que normalmente passariam despercebidos pelo seu radar sonoro.

Para artistas, estar presente nessas playlists pode ser a “virada de chave” na carreira, aquele tão sonhado boom de views, plays, likes e shares.

Inclusive, lá em 2017, o G1 já cobria um comércio paralelo de venda e compra de posições em algumas das playlists mais bombadas do YouTube.

Voltando para 2019, o portal Digital Music News convidou George Goodrich para uma matéria. George faz parte do time da Playlist Push, plataforma que promete conectar artistas a curadores de playlists, e compartilhou 16 dicas de como se dar bem nessas coletâneas digitais.

Dicas para ter sucesso em playlists

1 – Lance álbuns longos com faixas curtas

A estratégia aprimorada por nomes como Drake e Migos gera muitos plays, garantindo um álbum com boa performance nos rankings e renda a partir de cada stream.

Para artistas em desenvolvimento, a estratégia também aumenta as chances de aparecer em grandes playlists, ao mesmo tempo em que aumenta métricas positivas das canções.

2 – Gere impacto antes de 30 segundos

Apesar do Spotify não pagar por plays com menos de 30 segundos, não há tempo a perder: faça sua música fluir bem, mas não desperdice os primeiros segundos cruciais de cada audição.

3 – Músicas estão ficando mais curtas – pense nisso

Sinal dos dias de hoje: somos facilmente mais distraídos, então não há tempo a se perder no que se refere a chamar a atenção do ouvinte. Faixas como “Old Town Road”, do fenômeno Lil Nas X, sequer chegam aos 2 minutos de duração.

4 – Reembale para vencer

Artistas mais antenados estão relançando faixas antigas em álbuns ou compilações, com o mesmo código ISRC e a mesma quantidade de plays anterior.

Assim, essas “novas” músicas com vários plays são identificadas como novidades pelos algoritmos e alavancadas em playlists de sucesso, como seu Radar de Novidades, Discover Weekly, etc. Essa repaginada pode dar um gás extra a velhos sons conhecidos.

5 – Use corretamente o Spotify para Artistas

Um erro comum: o upload de canções em cima da hora do lançamento. O correto seria subir novas faixas no Spotify para Artistas no mínimo 7 dias antes do lançamento.

Senão, você perde a garantia de que a música vai aparecer no momento certo nas playlists de novidades de seus seguidores e pessoas com gosto musical similar.

6 – Seja gentil com seu distribuidor

A  maioria dos distribuidores tem contratos diretos com o Spotify, o que significa que ao menos uma pessoa do seu distribuidor consegue falar diretamente com uma pessoa do Spotify. Sempre há diferentes acordos e oportunidades de playlists que surgem somente através do seu selo ou empresa de distribuição.

7 – Atenção nos gêneros segmentados

Há vida fora do hip hop e do rock: existem produtores e artistas vivendo de Spotify com uma base de fãs muito, muito segmentada.

Playlists como Yoga & Meditation e Lo-Fi Beats estão promovendo uma nova safra de artistas que praticamente ninguém conhece fora do Spotify – e tudo bem pra eles!

Sobre a Lo-Fi Beats: graças principalmente ao mundo das startups, pessoas buscam por faixas que aumentam o poder de concentração e foco. Batidas simples e repetitivas são a primeira escolha quando se fala em escrever ou fazer trabalhos técnicos detalhistas.

8 – Fazer viral é coisa de principiante – pense no longo prazo

Para ser notado e entrar em plyalists do Spotify, a maioria dos artistas acha que precisa de um hit para colocá-los lá. Mas na verdade, você não precisa de um hit, você precisa lançar mais músicas para aumentar drasticamente suas chances de criar um hit. Quanto mais lançamentos, mais chances você tem de acionar o algoritmo do Spotify.

9 – Estabeleça uma conexão direta com um curador do Spotify

Se você der sorte, há chances disso acontecer. Mas não seja intrusivo nem faça spam. Comece pelo LinkedIn, por exemplo.

E certifique-se de acionar a pessoa certa para o seu gênero musical. Leva tempo e não é garantido, mas a conexão certa no momento certo pode ser decisiva para sua entrada em playlists de sucesso.

Lembre-se: seja gentil e não espere, necessariamente, por uma resposta.

10 – Preste atenção na arte da capa

A parte visual ainda importa e não deveria ser menosprezada. Crie thumbnails criativos, de alta qualidade e divertidos, sem necessariamente ter que gastar milhares de reais com designers, por exemplo.

11 – Engajamento é bom, desengajamento é ruim

Ninguém conhece exatamente as regras exatas dos algoritmos, mas toda vez que um ouvinte salva uma música ou adiciona-a a uma playlist pessoal, isso é bom e gera engajamento positivo.

Porém, toda vez que ele pula ou remove a faixa, é ruim. Tenha isso em mente.

12 – Seguidores dedicados

Artistas com muitos seguidores têm presença garantida em playlists. A razão é que sempre que uma nova faixa é lançada, ela automaticamente vai para a playlist de radar de lançamentos de cada seguidor no Spotify.

Isso não garante um lugar em playlists mais famosas, porém ajuda a construir uma base engajada e visibilidade para o lançamento.

13 – Comece grande e termine grande para evitar pulos

Uma das estratégias de nomes como Kodak Black é te atingir logos nos primeiros segundos com o gancho da canção para prender a atenção. Há também o truque de terminar a faixa com o gancho para manter os ouvintes atentos e evitar pulos de faixas.

14 – Evite introduções longas e arranjos vagarosos

Há introduções longas que funcionam, mas se você quer realmente “destruir” no Spotify, elas não são o melhor caminho. Melhor evitá-las.

15 – Popularidade fora do Spotify também ajuda

Tudo é relevante! Quem é fraco no Twitter e Instagram pode ter mais desafios para ganhar tração no Spotify.

Porém, uma dica é não menosprezar o SEO de Google e YouTube: sua música está bem posicionada quando é buscada? Aparece nas primeiras posições? E no YouTube? Ter um posicionamento adequado em ambas as plataformas pode impulsionar seu lançamento e fazer com que, quem sabe, seu som chegue até alguém no Spotify.

16 – Você deve assinar com um selo ou gravadora?

É complicado saber como é a relação entre grandes gravadoras e o Spotify.

O que se sabe é que, obviamente, alguns selos se relacionam melhor com a empresa sueca do que outros. Em todo o caso, o impacto pode ser grande ao assinar com um selo, porque além de conseguir possíveis favores e promoções, essas casas geralmente são especialistas em criar faixas direcionadas para o streaming e suas regras não escritas.